Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Perfil e evolução dos pacientes pediátricos em uso de assistência circulatória mecânica atendidos pelo sistema público de saúde de São Paulo

Camylla Santos de Souza, Paiva PF, Paiva CF , Garcia LN, Soares GP, Luz YS, de Souza Neto JD
Universidade Federal do Ceará - Fortaleza - CE - Brasil

INTRODUÇÃO: O uso de assistência circulatória mecânica (ACM) em pediatria tem sido amplamente indicado como ponte para a posterior realização do transplante cardíaco. Tais dispositivos auxiliam o coração em estágios avançados de insuficiência cardíaca (IC), sendo capazes de manter as condições hemodinâmicas dos pacientes, cujos miocárdios não respondem a outras formas terapêuticas e apresentam uma importante diminuição da sua capacidade de bombear sangue para órgãos vitais. Neste contexto, urge traçar um panorama do perfil e da evolução dos pacientes na faixa etária pediátrica em início e manutenção de ACM, atendidos pelo sistema público de saúde de São Paulo (SP). MÉTODOS: Estudo quantitativo, epidemiológico, descritivo, observacional e transversal, a partir da coleta de dados disponibilizados pelo Sistema de Informações Hospitalares (SIH) – TABNET São Paulo, de 2008 a 2017. RESULTADOS: No período analisado, foram registradas 341 internações com instalação e/ou manutenção de ACM no Brasil, das quais 215 (63,04%) se deram no Sudeste e 183 (53,66%) apenas em SP. Assim como para os valores regional e nacional, houve crescimento das notificações em SP, sendo: 2 em 2008, 1 em 2009, 4 em 2010, 19 em 2011, 9 em 2012, 9 em 2013, 30 em 2014, 25 em 2015, 33 em 2016 e 51 em 2017. Considerando-se a faixa etária pediátrica, SP totalizou 91 internações (49,72%), sendo 31 em menores de 1 ano, 20 de 1-4 anos, 20 de 5-9 anos, 12 de 10-14 anos e 8 de 15-19 anos. O sexo masculino demonstrou maior necessidade, respondendo por 58% (53) intercorrências, enquanto o feminino por 42% (38). 2014 foi o ano em que esse tipo de assistência foi mais recorrente, com 22 episódios relatados, seguido por 2016 (20), 2015 (16), 2017 (15), 2011 (8), 2012 (4), 2010 (3), 2013 (2) e 2008 (1). Os óbitos somaram 31 registros, sendo os menores de 1 ano os mais acometidos (15) em decorrência da fragilidade dos mesmos; assim, a medida em que a faixa etária aumenta, os índices tendem a diminuir, a saber: 8 de 1-4 anos, 2 de 5-9 anos, 3 de 10-14 anos e 3 de 15-19 anos. CONCLUSÃO: O uso de ACM vem aumentando nos últimos anos, com destaque para o estado de SP, tendo em vista, principalmente, os inúmeros benefícios clínicos que esta tecnologia pode proporcionar àqueles na fila de espera pelo transplante cardíaco. Porém, é necessário atenção dos profissionais quanto ao seu uso, em especial, devido ao estado debilitado em que se encontram os pacientes pediátricos portadores de IC, o que pode vir a aumentar o número de óbitos nesta faixa etária. 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

XXXIX Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

31 de maio a 02 de junho de 2018
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil