Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

As mulheres idosas com doença arterial coronariana têm pior qualidade de vida do que os homens?

Oliveira DC, Correia AF, Miranda, Rocha M, Medeiros B, Gadelha MI
Hospital Ilha do Leite - Recife - Pernambuco - Brasil, Hospital das Clínicas. UFPE - Recife - Pernambuco - Brasil

Introdução: No paciente idoso embora a longevidade seja importante a qualidade de vida (QV) e a independência são importantíssimas.  Conhecer a QV em idosos e identificar eventuais diferenças em subgrupos permitem uma melhor condução desses pacientes. Portanto o objetivo desse estudo foi avaliar se mulheres idosas com DAC têm pior QV quando comparada aos homens idosos com DAC.

Métodos: Estudo transversal, prospectivo, analítico e multicêntrico realizado de janeiro de 2015 a dezembro de 2017, que recrutou 381 pacientes idosos (idade média = 67,7 ± 5,1 anos) com angina estável e teste indutor de isquemia de alto risco submetidos a cinecoronariografia e com DAC angiográfica. Através de questionários foram coletados dados clínicos, sociais e econômicos. O SF 36 foi utilizado para avaliação da QV. As variáveis categóricas são apresentadas como valores absolutos e percentuais, enquanto as numéricas como media e desvio padrão ou mediana e percentis 25 e 75 a depender da normalidade ou não de acordo com o teste Shapiro Wilk. Os testes de qui quadrado, T de Student ou Mann Whitney foram aplicados a depender da variável, sendo p ≤ 0,05 significativo.

Resultados: Houve 264 homens e 117 mulheres (idade = 67,57 ± 5,86 vs 68,12 ± 6,20 anos, p = 0,4). A comparação das principais características entre homens e mulheres revelou: Hipertensão: 228 (80%) vs 93 (79%) p = 0,08; Tabagismo: 188 (66%) vs 86 (73%) p = 0,2; Diabetes Mellitus: 101 (35%) vs 48 (41%) p = 0,6; Dislipidemia: 68 (23%) vs 21 (18%) p = 0,09; Infarto do miocárdio prévio: 23 (8%) vs 29 (25%) p = 0,06; Acidente vascular encefálico (AVC) prévio: 19 (7%) vs 30 (25%) p = 0,01. Os domínios da qualidade de vida entre pacientes do sexo masculino e feminino foram: Capacidade funcional: 64,96 ± 30,40 vs 52,44 ± 31,88, p < 0,001; Aspectos físicos: 41,42 ± 45,90 vs 35,32 ± 42,90, p = 0,3; Dor: 67,99 ± 27,22 vs 55,43 ± 26,79, p < 0,001; Estado geral de saúde: 63,36 ± 18,49 vs 58,30 ± 19,49, p = 0,01; Vitalidade: 62,53 ± 19,29 vs 56,56 ± 60,25, p < 0,001; Aspectos sociais: 74,72 ± 23,86 vs 65,27 ± 24,23, p = 0,001; Aspectos emocionais: 57,69 ± 45,96 vs 43,38 ± 73,57, p < 0,001; Saúde mental: 63,54 ± 18,48 vs 68,17 ± 20,01, p = 0,01.

Conclusões: Esses pacientes idosos eram de alto risco cardiovascular e as mulheres tiveram mais AVC prévio. De forma consistente mulheres idosas com DAC tiveram pior qualidade de vida do que os homens.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

XXXIX Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

31 de maio a 02 de junho de 2018
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil