XXXIX Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Borrelia burgdorferi portando simbiontes, presentes no coração explantado de pacientes com Cardiomiopatia Dilatada se relaciona a evolução com rejeição moderada persistente.

Pereira, JJ, Ikegami, RN, Kawakami, JT, Reis, MM, Palomino, SA, Mangini, S, Bocchi, EA, Higuchi, ML
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução - DNA de agentes virais e bactérias foram descritos em biopsias de pacientes com cardiomiopatia dilatada (CMD), variando em incidência conforme as técnicas empregadas, levantando a hipótese de co-infecção. Aqui utilizamos diversas técnicas, procurando melhorar o diagnóstico e a carga dos agentes e confrontar com a evolução pós transplante cardíaco (TC).
Métodos - 21 corações receptores de TC de pacientes com CMD foram analisados retrospectivamente, agrupados conforme evolução em período de até 60 dias pos TC: G1 - rejeição moderada persistente (n=7); G2  rejeição moderada que regrediu (n=6); G3 sem rejeição moderada (n=5). Amostras do coração foram submetidos à técnica de imunohistoquimica com anticorpos anti-células inflamatórias, Borrelia burgdorferi (Bb), Mycoplasma pneumoniae (Mp), Parvovírus , HVC, enterovirus, HHV6, HBc, HBs. A % de área dos antígenos foi obtida com Aperio ImageScope software. Bb também foi analisada pela PCR tempo real. Análise de Variância, teste de Bonferroni e teste de Dunn, e correlação pelos testes de Pearson / Spearman foram utilizados conforme variáveis paramétricas ou não.
Resultados - O grupo controle (G3), mostrou menor % Ags de Mp do que G1 e G2 (P<0,001), e maior de HHV6 (P=0,04); maior de Parvovirus e menor de HBc do que G1 (P=0,01 e P=0,004), e HCV, maior do que G2 (P<0,04). PCR real time para Bb no G1 mostrou menor média de cópias que G2 (não significante) e correlação negativa entre número de cópias de Bb vs Ags de: Mp (r= -0,78 e p=0,04), Bb (r= -0,8 P=0,03) e HHV6 (r= -0,51 e P=0,14 ), sem correlação com enterovirus (r=0,04 e P=0,94) e o G2 somente  correlação positiva com Ags de enterovirus (r=0,56 e P=0,06), sugerindo dois tipos de Bb: No G1, borrelias maiores, com poucas cópias de DNA em simbiose com vários agentes infecciosos, mas não no G2, confirmados pela morfologia à microscopia eletrônica (Figura). Houve maior quantidade de células CD20 e de HLA-DR/DP/DQ no grupo G3 do que no G1 e G2.
Conclusão - Evolução com rejeição moderada pós transplante cardíaco dos pacientes com CMD parece estar relacionados a dois tipos de Bb no coração explantado:  no grupo com rejeição moderada persistente,  Bb grandes, em aparente simbiose com vírus e Mp, e na rejeição moderada que regrediu pós pulsoterapia, Bb finas, sem simbiose . Os que não desenvolveram rejeição moderada apresentam menor quantidade de Mp, maior reação inflamatória e expressão HLA-DR/DP/DQ.

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

XXXIX Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

31 de maio a 02 de junho de 2018
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil